Quadro

vejemo

Agora vai.

Que quadro lindo. Foram tantos bronzes em um só dia que ficou difícil manter o foco e as atualizações aqui no blog de Bronze. Vamos homenagear nossa disparada no quadro falando de apenas um atleta, um dos muitos destemidos que luta por manter o esporte brasileiro no degrau mais baixinho do pódio.

Carlos Chinim. O homem do Declato, mostrou que como ninguém, sabe manter o controle, ficando atrás de um jamaicano e um cubano na tarde de ontem, ao fim das 10 modalidades da modalidade.

Isso mesmo, por 10 testes Chinim soube não ser o mais rápido, mas não ficar pra trás, soube não pular mais, mas não passar ridículo. Ele controlou as forças, mas soube golpear 90% dos abversários. Vivendo na pequena faixa entre a prata e o quarto lugar, Chinim foi 10, foi bronze, foi sorriso no rosto do povo.

Sem incentivo ou histórias de heroísmo para cantar, esse atleta merecia o hino tocado por uma banda de estudantes. Merecia o carro de bombeiro (sem as luzes). Merecia um lugar num blog como este! Fizemos nossa parte.

Não tá fácil pra ninguém / chinelagem

Mais uma prova cabal acaba de ser estampada nos portais de notícias: a medalha de ouro quebra mais facilmente. Isso mesmo, a medalha dourada que Tiago Camilo ganhou na categoria até 90kg caiu no chão e esplofth, ao solo. Vazari nela.

Que o ouro vale menos no quadro de medalhas e que é um metal inferior todos já sabiam, mas que a medalha andava esfarelando pela vila pan-americana já é piada. Prefiro esquecer o sinistro e acreditar que o judoca, fustado com o primeiro lugar, usou sua força descomunal para quebrar aquele símbolo de derrota.

Borboleta de Bronze

Já bate a saudade imensa do bronze da natação na borboleta.

Montado no Bronze

Tá lá

Brasil dispara no quadro de Bronze. Agora é garantir umas derrotas na semi-final do Boxe e correr pro corner abraçar o treinador Cuba passa Argentina e o Canadá, sabendo que não pode contra os EEUU, se concentraem tirar terceiro lugar em tudo. Pescoçada neles, discipulos de Galvão Bueno.

Um final de semana bronzeado

O Domingo foi um dia iluminado para a delegação brasileira. Foi bronze no hipismo. Bronze no tênis de dupla. Bronze na patinação artística. E pelo menos 3 bronzes garantidos no boxe. Só temos que cuidar para que esse bronze garantido (no boxe, todos os classificados na semi-final já tem um bronze confirmado) não vira um ouro ou uma prata.

Com os resultados deste final de semana, o Brasil se destaca na liderança no quadro de medalhas de bronze. E com diversas conquistas de ouro, estamos agora confortáveis e fincados na terceira posição geral do quadro de medalhas. Podemos inclusive, com a folga confortável ante o Canadá, voltar a nos concentrar no bronze, né pessoal?

Finalmente, o bronze para Thiago Pereria

Após 6 medalhas de ouro, o vil-metal, parece que finalmente o talento e a sorte conspiravam a favor de Thiago Pereira. Na prova de 100m costas Thiago pareceu confortável na piscina e conquistou uma terceira posição que ele vinha buscando desde o início do Pan. Poucas horas depois, no revezamento 4×100 medley, Thiago vinha bem na competição, e vinha bem em terceiro lugar. Mas seus companheiros se desconcentraram e passaram a frente do Canadá, chegando na segunda colocação.

Thiago é uma boa promessa brasileira. Mas precisa se preparar melhor para as Olímpiadas do ano que vem, quando pretende bater o recorde mundial e voltar com 8 medalhas de bronze no peito. “Não vai, Thiago”.

559250-5032-ga1.jpg

A equipe de revezamento deixa o bronze escapar.

Flávia Delaroli dá banho em companheira de equipe

Gusmão = derrota

Enquanto Rebeca Gusmão (foto) se esforçava para bater recordes na final do 100m livres na manhã desse domingo, sua companheira de esquadra, Flávia Delaroli ensinava o espírito da competição com suas largas e contidas braçadas.

Dosando cada movimento, Flávia escapou do vezame que é ganhar a prata e deixou mais duas para conviver com a culpa de ganhar uma prova. São dias como os de hoje que nos mostram como mesmo dentro de uma equipe egoísta, que só pensa nos louros, existem pessoas de bom senso prontas a bronzear um pouco mais as piscinas deste país.

Retidão

Mostrando uma sabedoria até então inédita, os Argentinos são puro bronze neste Pan. Até agora, os hermanos conquistaram 16 medalhas de bronze, um número que se não é expressivo para a liderança, é ótimo comparando com as medalhas deles mesmos. São apenas 5 de ouro e mais 5 vergonhas de prata.

Ou seja,  3 vezes mais bronzes do que ouro. Se Brasil estivesse nessa levada, seriam 60 bronzes sónessa primeira semana de jogo. E viva a dolarização.

QUADRO DE BRONZE PREOCUPA

20 julho

Dia mudanças preocupantes no Pan. O Canadá se agilizou e encostou no Brasil, ficando atrás apenas dois bronzes. Argentina caiu violentamente e agora divide o quinto lugar com a perigosa ilha de Fidel. Completam o quadro EUA e Venezuela, que fazem bronze a bronze uma disputa até então inédita no PAN: Imperialismo x Neo Populísmo.

Em tempo

Os dois ouros do judô pelo menos serviram para contar pontos e coloca o Brasil de volta ao topo do terceiro lugar.

Judô brasileiro decepciona.

2 ouros. 1 prata. Este é o saldo negativo da campanha dos judocas canarinhos nessa tarde de sexta. Tiago Camilo e Edinanci conquistaram o ouro. Mayra deixou escapar o bronze e ficou com a prata após uma disputa equilibrada com a atleta americana Ronda Rousey. Mayra, de apenas 15 anos, ficou muito feliz com o segundo lugar “Chegar até aqui foi ótimo. Não lamento não ter chegado ao bronze. Sou muito nova e ainda chegar lá”.

A nossa única esperança de bronze é Luciano Corrêa, que disputa o título ainda nesta tarde contra o venezuelano Albenis Rosale.

Meteorologia

Hoje faz um lindo dia no Rio de Janeiro. Temperatura agradável, céu azul, sol brilhado, sem nuvens. Tempo perfeito para pegar muito bronze.

imagem1.png

Cobiçado bronze

Medalha de bronze do Pan

Essa é a materialização de todo o esforço canalizado. A batalha vencida contra o quarto lugar. O risco dissipado da prata maldita.

Vamos, Brasil! Te queremos todo bronzeado!

Opa!

Para os que ainda duvidam que ganhar bronze vale ouro, destaco alguns trechos da matéria portal Terra intitulada Brasil pode perder medalha de bronze”.

“O México perdeu o bronze na ginástica por determinação da Odepa (Organização Desportiva Pan-americana) e agora tenta recuperar a premiação tirando o bronze do hipismo brasileiro no adestramento.”

Isso mesmo, a delegação Mexicana quer fazer a gente de bobo e transformar a medalha do adestramento brasileiro em Bronze-de-tolo. Segundo chefe de delegação e espertalhão Carlos Hermosillo, o Brasil teria inscrito um cavalo e participado com outro. Isso daria o direito dos mexicanos saírem do quarto lugar e avançarem ao terceiro, desclassificando o conjunto brasileiro. Lembramos que, como noticiamos anteriormente, Rogério Clementino levou o bronze na prova, conquista inédita para o esporte tupiniquim. Se o cavalo faz alguma diferença eu não sei, só sei que essa pataquada cheira a puro recalque.

Vamos esperar que o bom senso reine e que as colocações sejam mantidas. Afinal, se os mexicanos têm um desempenho lastimável, com apenas 9 medalhas de Bronze, a culpa não é nossa. Deixem o que é de direito do povo brasileiro no seu devido lugar.

Balanço do Dia

19 julho bronzes

Confira o Quadro de Bronze e veja que o Brasil mantém uma certa folga em relação aos vizinhos do norte. Entretanto é bom abrir o olho e não perder oportunidades como algumas que deixamos passar hoje. Afinal, digam porque a seleção feminina foi pra final do Vôlei se todo mundo sabia que elas iam amarelar? Melhor garantir o bronze logo. Bom, elas que vivam com uma prata enquanto sorrimos para nosso barco no remo e para o rapaz que ganhou bronze no tiro rápido.

Amanhã, mais notícias.

Brasil deixa escapar o bronze, mas conquista a prata.

Após perder a medalha de bronze ontem, só restava as meninas do vôlei a medalha de prata que seria disputada contra as arquirivais cubanas. Num jogo emocionante, disputado ponto a ponto, as meninas fizeram bonito e não desapontaram a torcida que motivou a seleção sem parar. Prata pro Brasil.

A medalha de bronze ficou com as americanas. A delegação americana conquistou assim o seu 19º bronze, encostando no Brasil no quadro de medalhas. Por enquanto, o Brasil segue líder isolado com 24 bronzes

.557068-3972-ga.jpg

Vitória brasileira no tiro rápido.

557017-4133-cp.jpg

O Brasil está em polvorosa. O cearense Fernando Cardoso Júnior acaba de conquistar a disputada medalha de bronze na modalidade do tiro rápido 25m, deixando para frente os atletas de Cuba e EUA, ouro e prata respectivamente. O segredo do sucesso Fernando não esconde de ninguém: “No tiro rápido, o grande truque é atirar devagar.”

Liderança Ameaçada

O Canadá passou o Brasil na liderança absoluta do terceiro lugar no quadro de medalhas. Agora temos que torcer que a nossa seleção feminina de vôlei conquiste o ouro para reinarmos novamente na nossa bronzeada colocação. Ironias do mundo do esporte.

Anônimos defensores de uma causa melancólica.

Lamento muito que atletas continuem ignorando todos os problemas brasileiros e lutando por medalhas de Ouro. E não falo apenas de passar por cima do mar de lama em que vivemos, mas também do descaso com que o esporte é tratado no Brasil.

A novidade é que parece que queremos passar Cuba e terminar em segundo lugar no geral de medalhas. Isso não faz nenhum sentido ou traz benefício ao esporte brasileiro. Ir bem no PAN é se fiar no fator local para provar uma tese errada, de que não é preciso mais investimento e seriedade nos esportes para formar atletas de ponta.

Chega de campeões nascidos do acaso. Chega de migalhas. Tratar o esporte com decência deve ser um movimento que parta dos atletas, e encher o bucho de bronze é a melhor saida.

Inadmissível

Fabola Molina (Márcio Rodrigues/FOTOCOM.NET/Divulgação)

Alguns atletas realmente não entendem o verdadeiro espírito que permeia um evento esportivo da grandeza do Pan. Fabíola Molina, sem levar em conta a análise básica que um competidor deve fazer antes de disputar uma prova internacional, levou nesta quinta-feira a medalha de prata na prova dos 100m costas dos Jogos Pan-Americanos.

Torcemos para que a nadadora faça uma reflexão e explique-se. Como pôde simplesmente ignorar o bronze?

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.